terça-feira, setembro 13, 2011

Uma década

Ontem li algumas crônicas de colunistas da revista TPM dizendo como a vida delas mudou em dez anos. Fiquei pensando sobre a minha própria, pesando na balança as tais perdas e os tais ganhos, tentando entender se eu era mais feliz naquele lugar ou neste.

Não era. Não sou. E não que eu peça para tirarem o sorriso do caminho para passar com a minha dor. Eu simplesmente tive momentos maravilhosos e duros na casa dos vinte, como os tenho agora. E aos quarenta, cinquenta, sessenta e enquanto durar o estoque.

Dividindo os maravilhosos ontem, hoje e amanhã estão meus amigos. Eles são os protagonistas dos meus mais sinceras alegrias. Com eles eu viajei, dancei até o dia amanhecer, dividi sonhos e confidências. E eles seguiram ao meu lado quando as nuvens negras pairaram. Deram colo quando o sofrimento era agudo demais para suportar e sacudidelas quando eu encarnava a "drama queen".

Muita gente em dez anos trocou de carro, comprou uma casa e teve um filho. Eu não dirijo, estou tentando achar o meu lugar e tenho uma gata de estimação. Na minha rota, sempre sem planejamento, fiz a pós graduação que queria (e não aquela que garantiria um empregão), me mudei de cidade quando não desejava mais andar pelas ruas e ladeiras de Belo Horizonte, escrevi um livro virtual que me fez entender que seria possível arriscar, me casei e me separei de um grande amor.

O que eu sou hoje não é de perto o rascunho do que eu pensava que seria dez anos atrás. Sou bem melhor em muitos aspectos e, por que não, uma decepção em outros. O melhor não é para que eu me envaideça e o decepcionante é para que eu não desista.

Fiquei pensando naqueles textos das meninas da revista que eu lia e que hoje, eventualmente, folheio. Elas são como eu, como você, como o título do filme do Woody Allen, "igual a tudo na vida".

Nenhum comentário:

Postar um comentário