quarta-feira, junho 30, 2004

De Uma Dama Não Comenta

"O nosso negócio é ajudar o seu negócio".

Slogan da Delta Air Lines que pode ser facilmente confundido com anúncio de Viagra.
Texto extraído do Releituras

Betsy - Rubem Fonseca (aquele que eu queria que fosse meu sogro!)

Betsy esperou a volta do homem para morrer.

Antes da viagem ele notara que Betsy mostrava um apetite incomum. Depois surgiram outros sintomas, ingestão excessiva de água, incontinência urinária. O único problema de Betsy até então era a catarata numa das vistas. Ela não gostava de sair, mas antes da viagem entrara inesperadamente com ele no elevador e os dois passearam no calçadão da praia, algo que ela nunca fizera. No dia em que o homem chegou, Betsy teve o derrame e ficou sem comer. Vinte dias sem comer, deitada na cama com o homem. Os especialistas consultados disseram que não havia nada a fazer. Betsy só saia da cama para beber água.

O homem permaneceu com Betsy na cama durante toda a sua agonia, acariciando seu corpo, sentindo com tristeza a magreza de suas ancas. No último dia, Betsy, muito quieta, os olhos azuis abertos, fitou o homem com o mesmo olhar de sempre, que indicava o conforto e o prazer produzidos pela presença e pelos carinhos dele. Começou a tremer e ele a abraçou com mais força. Sentindo que os membros dela estavam frios, o homem arranjou para Betsy uma posição confortável na cama. Então ela estendeu o corpo, parecendo se espreguiçar, e virou a cabeça para trás, num gesto cheio de langor. Depois esticou o corpo ainda mais e suspirou, uma exalação forte. O homem pensou que Betsy havia morrido. Mas alguns segundos depois ela emitiu novo suspiro. Horrorizado com sua meticulosa atenção o homem contou, um a um, todos os suspiros de Betsy. Com o intervalo de alguns segundos ela exalou nove suspiros iguais, a língua para fora, pendendo do lado da boca. Logo ela passou a golpear a barriga com os dois pés juntos, como fazia ocasionalmente, apenas com mais violência. Em seguida, ficou imóvel. O homem passou a mão de leve no corpo de Betsy. Ela se espreguiçou e alongou os membros pela última vez. Estava morta. Agora, o homem sabia, ela estava morta.

A noite inteira o homem passou acordado ao lado de Betsy, afagando-a de leve, em silêncio, sem saber o que dizer. Eles haviam vivido juntos dezoito anos.

De manhã, ele a deixou na cama e foi até a cozinha e preparou um café puro. Foi tomar o café na sala. A casa nunca estivera tão vazia e triste.

Felizmente o homem não jogara fora a caixa de papelão do liqüidificador. Voltou para o quarto. Cuidadosamente, colocou o corpo de Betsy dentro da caixa. Com a caixa debaixo do braço caminhou para a porta. Antes de abri-la e sair, enxugou os olhos. Não queria que o vissem assim.

terça-feira, junho 29, 2004

O final de junho me faz lembrar que faz 4 anos que não tiro Férias (30 dias remunerados!!!). Como estou pirando com essa história e para ver se dá certo, entoarei o mantra.

Vou tirar Férias
Vou tirar Férias
Vou tirar Férias
Vou tirar Férias
Vou tirar Férias
Vou tirar Férias
Vou tirar Férias

Bali



domingo, junho 27, 2004



Passei o final de semana quieta, como recomendou meu oftamologista. Fiquei, na verdade, colada com o Alê, que agora está deitadinho debaixo das cobertas, enquanto entro em comunidades no Orkut.

sexta-feira, junho 25, 2004

E eu achando que era uma alergia qualquer. Olha que beleza que me aconteceu...

Úlcera de Córnea

A úlcera de córnea é uma perfuração da córnea, geralmente devida a uma infecção bacteriana, fúngica, viral ou causada pelo protozoário Acanthamoeba. Algumas vezes, ela é conseqüência de um traumatismo. As bactérias (freqüentemente estafilococos, pseudomonas ou pseudococos) podem infectar e ulcerar a córnea após o olho ser lesado, após a penetração de corpo estranho no olho ou após uma irritação do olho por uma lente de contato. Outras bactérias (p.ex., gonococos) e vírus (p.ex., herpes vírus) também podem causar úlceras de córnea. Os fungos podem causar úlceras de desenvolvimento lento. Em raros casos, a deficiência de vitamina A ou de proteínas pode acarretar a formação de úlceras de córnea. Quando as pálpebras não se fecham adequadamente para proteger e umedecer a córnea, pode ocorrer a formação de úlceras de córnea em decorrência do ressecamento e da irritação, mesmo na ausência de infecção.

Sintomas e Tratamento

As úlceras da córnea causam dor, sensibilidade à luz e aumento da produção de lágrimas. Todos esses sintomas podem ser leves. Um ponto purulento amarelo-esbranquiçado pode surgir na córnea. Algumas vezes, ocorre a formação de úlceras sobre toda a córnea, as quais podem penetrar profundamente. Pode ocorrer um maior acúmulo de pús atrás da córnea. Quanto mais profunda a úlcera, mais graves os sintomas e as complicações. As úlceras de córnea podem curar sem tratamento, mas podem deixar um material fibroso e opaco que provoca a formação de cicatrizes e compromete a visão. Outras complicações possíveis incluem a infecção profunda, a perfuração da córnea, o deslocamento da íris e a destruição do olho. A úlcera de córnea é uma emergência que deve ser tratada imediatamente por um oftalmologista. Para visualizar uma úlcera nitidamente, o médico pode aplicar um colírio contendo o corante fluoresceína. O recurso à antibioticoterapia e à cirurgia pode ser necessário.


quinta-feira, junho 24, 2004



Nada mais sugestivo do que ver um filme-catástrofe. No caso de O Dia Depois de Amanhã, que eu vi ontem, não fez melhorar em nada meu desânimo, cansaço ou irritação. A única coisa boa da minha semana até agora foi meu professor de Kickboxing fazer uma massagem (shiatsu) na minha coluna estilhaçada. Ele disse que pela dor eu tenho que trocar o colchão. Coisa que não farei.

terça-feira, junho 22, 2004

E tem aquele dia em que você acorda e percebe que a visão direita está toda embaçada. Há dois meses foi a mesma coisa e um colírio resolver tudo. Em 15 dias. Você não detesta usar óculos porque são anti-estéticos, mas porque a essa altura dão uma dor-de-cabeça dos infernos. E pensa que sua vida seria melhor se encarasse a miopia como Win Wenders, que acha ótimo exergar por enquadramentos.

Quando, enfim, é hora de sair da cama, sente o peso nos ombros e não é só seu colchão que deveria ser trocado. Você se lembra vagamente do que é ter férias. Com letras garrafais, não aquele recesso indigno de dez ou quinze dias com o dinheiro economizado e contado, mas um mês inteiro para viajar, namorar, dormir, ver filmes, comer sem pressa como todo ser humano deveria ter, no mínimo, uma vez por ano. E lá vão quatro.

Você pensa quanto tempo irá gastar para quitar dívidas, por em prática projetos importantes e ter uma vida menos ordinária. Não existem cortes radicais que possam dar jeito. Muito menos idéias geniais. Simplesmente seus neurônios parecem conspirar contra e a rotina no trabalho segue pelo mesmo curso. Você se lembra dos milhares de impencilhos e se esforçar para entender porque insiste. Os motivos são poucos e nobres, assim como algumas pessoas de seu convívio. No entanto, tem valido a pena?

segunda-feira, junho 21, 2004

Impressionante como há um abismo entre a Telemig e a TIM. Eu odeio corporações, mas sou obrigada a admitir que voltar a ser cliente da Telemig foi no mínimo um alívio. Reativei serviços e resolvi todos os meus problemas em menos de 5 minutos e a atendente ainda me pediu desculpas pela demora. Já naquele lixo, foram 20 minutos e nada. Não consegui desligar o celular antigo, esperei e passei raiva...

Whatever. Sexta teve festinha no meu novo lar. Open House com a turma da Prefs e presentes bacanas (espero que o próximo seja o meu. Já tá na hora de tomar rumo).

Sábado aconteceu, enfim, a Festa Junina da Boca Maldita - uma espécie de "Clube dos Cafajestes", no bom sentido, do pessoal da Tevê. Eu e Fernanda chegamos cedo e voltamos cedo, porém foi bem divertido. A coisa coisa mala são pessoas que ficam na pilha de ir e, na última hora, declinam. Depois que os meninos lotaram a geladeira de cerveja e fizeram panelas e mais panelas de caldo, canjica e tropeiro (delicioso por sinal)contando com os que juraram que iam...É de lascar. Enfim, muitos nem podem reclamar das condições em que vivem no ambiente de trabalho. Se não se mobilizam para uma curtição, imagina para o resto.



Ontem almocei no Moranga da Montanha, outro lugar em Macacos que já foi melhor. Fomos eu, Alê, Mamãe, Uiara, Fernandinha, Mari - que propôs a refeição bucólica - a Georgia, amiga das meninas, e seu namorado gringo. Programa legal e tarde no marasmo porque meu queridinho não quis ir ao cinema. Não tem problema, fim de semana que vem tem mais.

Como essa festinha aqui...

quinta-feira, junho 17, 2004

Momento Zero Inspiração: deixo Quiroga explicar o porquê...

Áries
O processo de evolução que aproxima a felicidade da vida requer que cada pessoa passe pelo momento chocante de enfrentar todos os erros que cometeu, mas isso deve passar o mais rapidamente possível para dar lugar às melhorias.

Momento Keep Walking: quem sabe mantras ou frases de efeito resolvam?

"Haja hoje para tanto ontem" - Paulo Leminski

"Um homem é um sucesso se pula da cama pela manhã, vai dormir à noite e, nesse meio tempo, faz o que gosta." - Bob Dylan

"Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende." - João Guimarães Rosa

"A sorte favorece a mente bem preparada." - L. Pasteur

"Nunca se explique. Seus amigos não precisam, e seus inimigos não vão acreditar." - Anônimo

"Quem mais demora a prometer é mais fácil no cumprir." - Rosseau

"Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos." - E. Galeano

"Rir de tudo é coisa dos tontos, mas não rir de nada é coisa dos estúpidos." - E. de Rotterdam

"A tradição é a personalidade dos imbecis" - Albert Einstein


terça-feira, junho 15, 2004

Bem que me avisaram que era um lixo, mas eu e Alê insistimos em ver Tróia ontem... Não merece nem comentários. Pior, foi perder Sex and the City. No entanto, hoje tem reprise.

segunda-feira, junho 14, 2004

Uma constatação um tanto óbvia: o tempo passa voando. Lembro-me de um poema que anotei quando tinha uns 13-14 anos, do filme Sociedade dos Poetas Mortos: "Colha logo seus botões de rosa, pois o tempo vai correndo. Essa flor que hoje sorri cheirosa, amanhã estará morrendo". Acho que é do Walt Whitman. O fato é que nos últimos dias comecei um exercício de perceber melhor a minha rotina e tentar me livrar de certos condicionamentos. Estou vislumbrando também outras possibilidades em meu futuro. Mas repito, é um exercício. Em alguns momentos, tenho certeza de que o farei muito bem, já em outros será como aquela lição de matemática que eu copiava do caderno da amiga na escola, minutos antes de a aula começar...

Na sexta me livrei da Caixa Econômica Federal e da TIM, que quis me cobrar R$300,00 pelo conserto do meu celular que oxidou. Li um livro de 128 páginas, enquanto esperava pelo entrevistado no Parque das Mangabeiras. Chama-se "Um Livro Chamado Vida", do Eduardo Moreira. Ele não é o ator do Galpão. Na verdade, tem 28 anos, é carioca, engenheiro e economista. Começou a escrevê-lo quando tinha 17, de madrugada. Ele acordava tipo duas da manhã redigia trechos e muitas vezes nem se lembrava. Pode soar como uma mensagem ligada ao espiritismo, embora a publicação tenha muito de budismo, não sei explicar. Eu que costumo ser cética, gostei muito e foi daí a idéia de colocar em prática o que eu vou mudar. Ah, e o cara é sério. Toda a renda do livro é revertida para a Irmã Bernadete Vaz de Mello...

À noite fui com Fernandinha, Mari e Mariiinha no Speciali. Sábado acordei cedo, fui para a academia, arrumei meu quarto, almocei com mamãe e encontrei o Alê, recém-chegado de viagem. Passamos o dia dos namorados grudados. Vimos TV, tomamos vinho e dormimos abraçadinhos. Ganhei um casaco lindo e um broche do Cristo Redentor e dei uma calça jeans. Não enfrentamos fila em restaurante, atendimento grosseiro, pedidos errados ou coisa parecida. Não nos contaminamos com a atmosfera baranga que envolve e estraga o 12 de junho. Ontem, almoçamos em Macacos e ficamos a tarde debaixo das cobertas. Melhor, impossível.

PS: Finalmente voltei a ser uma pessoa On line!


Eu e Alê no aniversário da Uiara em agosto do ano passado

sexta-feira, junho 11, 2004



Sitcom descontrol

Sou viciada em séries enlatadas desde criança, quando passava na Globo As Panteras, Os Gatões, Super Vicky, Primo Cruzado e Caras e Caretas...Barrados no Baile fez parte da minha adolescência e a Sony transmite de segunda a sexta as aventuras dos Walsh em Los Angeles. Uiara também é outra vítima de sitcoms e sempre almoçamos vendo Brandon, Dylan & Cia (mesmo já tendo visto cada capítulo umas três vezes). E hoje qual foi nossa surpresa? O show do Flaming Lips no Peach Peach After Dark. Eu nem sabia que eles eram indies.

quinta-feira, junho 10, 2004

Plantão da Redação

Aproveitando que estou no trabalho em pleno feriado de Corpus Christ, vai uma notícia. Não muito boa. Aliás, fiquei chateada quando soube que Ray Charles morreu. Adoro "I can´t stop loving you" e o clássico absoluto "Georgia".

quarta-feira, junho 09, 2004

Seria ótimo se por alguns momentos eu pudesse me tornar uma guerrilheira. Não digo isso de graça...Depois de passar dois dias indo à Caixa Econômica Federal para ser extorquida por uma merdinha de gerente, que passou num concurso e vai apodrecer em seu emprego medíocre, se orgulhando de tratar todo mundo mal e agüentar por mais de dois meses um aparelho celular de quinta categoria emprestado pela TIM, a pior operadora de telefonia celular do mundo - e que deveria ter devolvido meu aparelho há muito tempo - eu precisava ter no mínimo um ótimo fuzil. Chega de suportar os fantoches desse sistema vil e pretensamente rápido, ágil e moderno. O máximo que posso fazer é entrar no Juizado de Pequenas Causas contra a CEF e no Procon contra a TIM. Claro que vou encerrar a conta e cortar o celular. E quando chego no trabalho, ainda me obrigam a usar o ridículo crachá pendurado no peito. Do contrário pena funcional. Como não sou funcionária no direito e só na obrigação, o meu não sai da bolsa.

E Viva Che Guevara!

segunda-feira, junho 07, 2004

Mais um texto "Gol de Placa"!!!

Os excluídos - Martha Medeiros

Ao contrário do que o título desta crônica possa sugerir, não vou falar sobre aqueles que vivem à margem da sociedade, sem trabalho, sem estudo e sem comida. Quero fazer uma homenagem aos excluídos emocionais, os que vivem sem alguém para dar as mãos no cinema, os que vivem sem alguém para telefonar no final do dia, os que vivem sem alguém com quem enroscar os pés embaixo do cobertor. São igualmente famintos, carentes de um toque no cabelo, de um olhar admirado, de um beijo longo, sem pressa pra acabar.

A maioria deles são solteiros, os sem-namorado. Os que não têm com quem dividir a conta, não têm com quem dividir os problemas, com quem viajar no final de semana. É impossíver ser feliz sozinho? Não, é muito possível, se isso é um desejo genuíno, uma vontade real, uma escolha. Mas se é uma fatalidade ao avesso - o amor esqueceu de acontecer - aí não tem jeito: faz falta um ombro, faz falta um corpo.

E há aqueles que têm amante, marido, esposa, rolo, caso, ficante, namorado, e ainda assim é um excluído. Porque já ultrapassou a fronteira da excitação inicial, entrou pra zona de rebaixamento, onde todos os dias são iguais, todos os abraços, banais, todas as cenas, previsíveis. Não são infelizes e nem se sentem abandonados. Eles possuem um relacionamento constante, alguém para acompanhá-los nas reuniões familiares, alguém para apresentar para o patrão nas festas da empresa. Eles não estão sós, tecnicamente falando. Mas a expulsão do mundo dos apaixonados se deu há muito. Perderam a carteirinha de sócios. Não são mais bem-vindos ao clube.

Como é que se sabe que é um excluído? Vejamos: você passa por um casal que está se beijando na rua - não um beijinho qualquer, mas um beijo indecente como tem que ser, que torna tudo em volta irrelevante - você inclusive. Se lhe bate uma saudade de um tempo que parece ter sido vivido antes de Cristo, se você sente uma fisgada na virilha e tem a impressão que um beijo assim é algo que jamais se repetirá em sua vida, se de certa forma este beijo que você assistiu lhe parece um ato de violência - porque lhe dói - então você está fora de combate, é um excluído.

A boa notícia: você não é um sem trabalho, sem estudo e sem comida - é apenas um sem-paixão. Sua exclusão pode ser temporária, não precisa ser fatal. Menos ponderação, menos acomodação, e olha só você atualizando sua carteirinha. O clube segue de portas abertas.



O Beijo, Klimt
Estou offline desde a mudança. Minha atualização bloguística ficou cada vez menor e com isso, nunca sei o que é relevante contar. Bom, ontem encontrei mil pessoas no Coca-Coca Savassi Festival, uma idéia genial do Café com Letras. Fiquei mais do lado jazz do que do lounge. Tomei vinho, revi amigos. Foi ótimo! Findi foi tranqüilo de um modo geral. No entanto, eu queria mesmo era tirar férias. Mais do que isso: ter dinheiro para fazer uma viagem decente. A última foi há 4 anos. O plano era ganhar na Megasena e acabei gastando quase 15 reais na semana passada sem sucesso. Mas tudo bem, meu tour pela Europa pode esperar mais um pouco.

Enquanto isso na sala de justiça, hoje tem um desfile no Ponteio acompanhado de uma exposição de trabalhos de alunos da Fumec. Minha irmã foi selecionada. É o primeiro de uma série. Afinal, alguém tem que tirar a família da lama...

quarta-feira, junho 02, 2004

Para o amigo que teve que se despedir hoje...

I don´t belong here

O mundo é dos espertos, dos sacanas, dos babacas e dos puxa-sacos. O mundo é dos covardes, dos escrotos, dos genocidas e dos dedo-duros.

Que se dane esse mundinho de merda. Eu não farei concessões, muito menos parte disso.


terça-feira, junho 01, 2004

Previsão para Áries em junho - Fonte: Bol

Neste mês de festas juninas, você terá oportunidade de fazer pequenas viagens, conhecer novas pessoas e intensificar sua vida social. Será muito importante ficar de olho nas informações que podem ajudá-lo em todos os setores de sua vida.

Até a terceira semana do mês, focalize a rotina doméstica. O relacionamento com irmãos e amigos e o diálogo serão importantes para você dirigir seus interesses. Que, aliás, devem ser diversificados. Experimente se dedicar mais a um hobby para o qual não dava muita importância. Faça isso antes do dia 20/6, pois a partir desta data Mercúrio e Sol entram no sentimental signo de Câncer, provocando em você vontade de se voltar para sua vida interior.

Este será um momento em que os arianos precisarão do apoio da família e dos amigos para sentirem que pertencem a um grupo. A companhia de pessoas mais velhas pode ser um grande presente, pois você aprenderá muito com elas, especialmente na última semana do mês.

É também uma boa hora para fazer mudanças no seu lar, melhorar o relacionamento familiar e levar a sério o sonho de mudar para outra cidade ou de comprar uma casa própria. Com relação a isso, fique de olho nos dias que vão de 24 a 26/6, quando Mercúrio em conjunção a Saturno representa a união do raciocínio com a experiência e aponta para a provável ajuda de um amigo ou parente.

Sua saúde tende a estar bem, a não ser na última semana do mês, quando você precisará de muita calma, tranqüilidade e boa alimentação, porque suas emoções podem influenciar seu humor a partir da segunda quinzena do mês. Procure fazer refeições tranqüilas e cercar-se de carinho, apoio e conforto. Será importante também ir ao médico se você sentir alguma coisa no estômago.

Fonte: Quiroga

É muito bom embalar-se nas idéias estimuladas pela ambição, mas no momento atual é importante prestar maior atenção a todos os assuntos e pessoas que compõem as delícias da vida cotidiana. Eis a questão, se por acaso seu dia a dia está longe de ser uma delícia, este será o tempo mais propício possível para reverter essa situação, pois para se aproximar daquilo que a ambição propõe é imprescindível relacionar-se bem com o que for próximo e disponível.
Fases da Lua.
Cheia, 3/6 à 1h20, horário de Brasília. Momento de intensa sedução, mas é bom responsabilizar- se pelas consequências.
Quarto minguante, 9/6 às 17h02, horário de Brasília. Tempo bom para livrar-se de segredos, fofocas e maledicências.
Nova, 17/6 às 17h27, horário de Brasília. Época propícia para passar os relacionamentos pelo crivo da razão e bom senso.
Quarto crescente, 25/6 às 16h08, horário de Brasília. Lua propícia para buscar ajuda e colaboração para superar os assuntos difíceis.