quinta-feira, janeiro 28, 2010

"Sua Opinião é muito importante para nós"

"Espero que minha opinião seja mesmo importante, pois por mais de uma vez fui mal atendida ou nem isso na Leitura do Pátio Savassi. No início do mês, comprei um cd para presente: pedi para embalar e o vendedor simplesmente se "esqueceu". Reforcei minha solicitação e ele a fez com tanta má vontade, que faltou deixar o preço no produto. Ontem, tentei em vão procurar um livro e dois atendentes extremamente grosseiros simplesmente se negaram a fazer a consulta no terminal. A primeira disse que "não tinha tempo" e o segundo falou que somente após levantar alguns preços para um cliente. Aguardei, mas ele continuou sua pesquisa e saiu como se eu nem estivesse diante dele. Fui então buscar o título pacientemente na prateleira e, como o mesmo podia constar tanto em literatura brasileira quanto numa sessão de comunicação social, esperei por mais algum tempo por um atendente que pudesse checar se o título estava disponível no local. Só para constar: a loja não estava cheia, com filas quilométricas no caixa. Tive o cuidado de evitar o tráfego intenso de pais em busca do material escolar. Ao sair, depois de quase 20 minutos sendo solenemente ignorada, perguntei a uma funcionária do setor de embalagens pelo gerente. Ela me disse que havia "um papelzinho" para reclamar, se fosse o meu caso. Agradeci e nem procurei o tal formulário evidentemente. Se este canal com o consumidor tiver alguma valia, gostaria de um retorno e uma justificativa plausível para tamanho desrespeito. O fato de ser uma megastore não justifica péssimo serviço, pois tenho o cartão fidelidade da Livraria Cultura em São Paulo - que é bem maior que a Leitura - onde sou tão bem atendida, que saio da loja com mais livros do que imaginava adquirir. Se a megastore em Belo Horizonte não tem condições de prestar a mínima atenção ao consumidor, como tenho notado e sentido, não irei mais me submeter ao masoquista ato de comprar na Leitura. Atenciosamente, Ludmila Azevedo"

E-mail enviado agora para o SAC da Leitura. Indignação mode on. Power to the People!


domingo, janeiro 24, 2010

Puxadinho

Antes que pensem que eu mudei de endereço, aviso que este blog continua mandando brasa. Mas a cozinheira que há dentro de mim, precisou de um espaço só dela. E como tudo começou com a minha avó, nada mais justo do que fazer a homenagem. O endereço do meu novo blog é http://cozinhadacelinha.wordpress.com/

terça-feira, janeiro 12, 2010

Arrumando a casa

Volta e meia tenho vontade de deixar minha casa bonita, gastando pouco ou quase nada. Bem, eu queria ter sala e copa separados, uma grande cozinha e um armário de quatro portas. Não é possível no momento. Também sonhei com pés palito, Cimo, Desmobília, Eames e Saarinen. Meu marido - extremamente econômico - se dividiria entre o infarto e a separação. Não sem antes falar o quanto eu jogo meu dinheiro fora, não poupo e estou fadada a ser uma dona doida numa casa alugada e cheia de gatos.

Observando minha obstinação e meus esforços em não gastar muito para deixar o ambiente agradável - depois de 2 anos e meio triste por receber meus convivas numa mesa de escritório - ele desenhou a sala e tudo que tem nela e me mostrou possibilidades para caber a mesa nova que comprei e harmonizar o espaço. Sim, comprei uma mesa nova. Liguei para ele e avisei. Passamos inúmeras vezes na Tok&Stok em liquidações, saldões e nada. Então fui lá na cara e na coragem, com um teto enxuto e levei.  Nem de longe é a mesa que, se eu morasse sozinha, compraria (ele me perguntou se o modelo ultra simples foi por conta da pressão dele), no entanto enxerguei naquela peça laqueada sem graça algumas possibilidades. Assim, aos poucos, vou arrumando a mesa, a sala apertada e a casa provisória. Sem saber se terei uma definitiva. Meu marido, com certeza, terá.

Não me importo em ser a cigarra porque não vejo nada de errado em aproveitar a vida. Admiro o belo e nem por isso sou fútil. Sou formiga por obrigação, não por prazer. E me lembrando agora da fábula, outro dia um amigo mandou um spam recontando a história: a formiga teve mil problemas com trabalho e estresse. A cigarra foi embora montou uma banda, fez muito sucesso e teve uma vida bem mais divertida que a colega. A única lição disso é que é preciso, ainda que com os pés no chão (algo muito complicado para quem tende a cabeça nas nuvens), reiventar-se o tempo todo. Eu começo pela minha casa.

sábado, janeiro 02, 2010

Sob o sol de 2010

Hoje o dia está tão lindo, tão azul, que resolvi que seria um dia Vinícius...Um dia poetinha. De modo que saí pela Savassi com vestido levinho na companhia de mamãe e Georginha; almocei com meu benzinho uma leve saladinha. Tomamos um cafézinho e, agora, enquanto ele tira sua sonequinha, acaricio meu gatinho Téti. Mais tarde, eu e Alê ficaremos juntinhos no escurinho do cinema.




Claude Monet - Impressão. Sol Nascente, 1872