sexta-feira, setembro 28, 2007

Love and marriage

A vida de casada tem coisas ótimas e outras nem tanto. No meu caso - bastante recente - as primeiras prevalecem. É uma delícia acordar do lado do Alê, preparar comidinhas juntos e surpresas um para o outro (como velas cheirosas para deixar o jantar a dois mais inspirador)...Às vezes não me acho uma "noiva" tão empolgada porque o trabalho e as discordâncias entre os envolvidos no processo não deixam. Porém, não há um único dia em eu que deixe de dar uma olhadinha no croqui do vestido de noiva(presente do padrinho Ronaldo Fraga). É o mais lindo que eu já vi e lembra inclusive as ilustrações de um dos livros da minha vida - "Ou Isto Ou Aquilo", da Cecília Meireles - que eu li ainda menina. Só não mostro no blog para preservar o suspense...

domingo, setembro 23, 2007

O crítico monocórdico

Quem tem Net em casa já teve ter visto no Telecine Cult os comentários do Marcelo Janot antes de cada filme, mas eu e Ale sempre nos perguntamos: "o que é isso?". O sujeito é inexpressivo, duro e emite vários clichês por segundo. Até nos canais que se pretendem "alternativos", a TV fica melhor se desligada.

quinta-feira, setembro 13, 2007

Adiós Pedro de Lara




Morreu nesta quinta-feira (13), aos 82 anos, o comediante, ator e radialista Pedro de Lara. A informação foi confirmada pela clínica Climed, no bairro de Irajá, subúrbio do Rio de Janeiro. Lara teria chegado ao local às 12h, mas já estava morto. A cunhada Luiza de Marilac afirmou ao G1 que o radialista estava com câncer de próstata.

O velório está previsto para as 20h, na Câmara de Vereadores do Rio, na Cinelândia. O enterro deve acontecer no Cemitério São Francisco Xavier, também conhecido como Cemitério do Caju.

Lara ficou conhecido como jurado do programa "Show de calouros", apresentado por Silvio Santos no SBT nos anos 70 e 80. Também participou do programa do palhaço Bozo, como o personagem Salsi Fufu, e mais recentemente do "Programa do Ratinho" e de "Gente que brilha", espécie de ''Show de Calouros" do século XXI.

A colega de trabalho Elke Maravilha define o humorista como "um sábio". "Conhecia Pedro desde 1972 e tive a honra de me tornar sua amiga. Ele tinha mania de nos presentear com gotas de sua sabedoria nos momentos em que menos esperávamos", diz. Um desses momentos se deu após uma discussão com o ex-patrão Silvio Santos. "Lembro que estava triste após levar uma bronca e o Pedro me disse: 'Ah, Elke, tem gente que é tão pobre, mas tão pobre, que só tem dinheiro", relembra.

Lírios eram símbolo de 'pureza de alma', disse a amiga Elke Maravilha

Emocionada, Elke conta que os famosos lírios que o humorista carregava simbolizavam sua "pureza de alma". "O que vale na vida é nascer e morrer. O resto é encher lingüiça, e tentar fazer com que ela não seja indigesta. O Pedro encheu uma bela lingüiça!", conclui.

O G1 também entrou em contato com a atriz e ex-jurada do "Show de calouros", Sônia Lima, que durante anos trabalhou ao lado de Pedro de Lara no programa.“Eu acabei de saber e ainda estou digerindo a notícia. Estou muito triste. Preciso de um tempinho”, respondeu, aparentemente bastante abalada.

Nascido Pedro Ferreira dos Santos, na cidade pernambucana de Bom Conselho, Pedro de Lara começou a carreira artística na década de 1960 na Rádio Rio de Janeiro. Em 1964, foi chamado para ser jurado do programa do Chacrinha, na TV Tupi, onde conheceu Silvio Santos, que o levaria para o SBT anos mais tarde.

Como jurado de auditório, Lara era conhecido por sua postura conservadora e moralista. "Nunca aceitei que ninguém cantasse sem sutiã, nem com minissaia, que se tornou coqueluche anos atrás. Sempre tomei medidas enérgicas contra isso, até ameaçando me retirar quando o candidato era muito acintoso", declarou em entrevista ao jornal "Folha de S. Paulo" em dezembro de 1999.

quarta-feira, setembro 12, 2007

Na mosca

Data de nascimento ........... 05/04/1977
Hora de nascimento ........... 12h
Signo .................................. áries
Ascendente ........................ Câncer


Mercúrio na casa 4

No período que vai de 12/09 (hoje) às 20h54 até 13/10 às 10h03, Mercúrio atingirá o ponto mais baixo do seu mapa de nascimento, Ludmila. Esta é uma fase de recolhimento e de silêncio, e você sentirá esta necessidade em sua alma, portanto convém respeitá-la. Tentar forçar-se a movimentos de conversas demais ou de excessiva interação e comunicação com o ambiente pode lhe levar a uma exaustão psíquica e física muito alta
. Todos temos um momento que é mais favorável para o recolhimento, e no seu caso - pelo menos no que diz respeito à fala e à comunicação, este momento é agora!

Como a Casa 4 rege o lar, este é um bom período para leituras dentro de casa. Que tal organizar uma biblioteca? Também é uma fase interessante para conversas úteis e elucidativas com pessoas da família e para organizar melhor a sua vida doméstica: que coisas poderiam ou deveriam ser mudadas dentro de casa? E o que dizer do orçamento doméstico?

Caso você deseje, esta é uma fase propícia para movimentos de mudança doméstica, ou mesmo para fazer pequenas reformas no lar.

terça-feira, setembro 04, 2007

Transferência de Culpa

por Eugenio Mussak

No começo do século 17, os habitantes da região italiana da Toscana já estavam se acostumando com as esquisitices de um sujeito chamado Galileu Galilei. Ele era bamba em matemática e física e andava obcecado por entender os mistérios do Universo. Uma passagem curiosa a seu respeito é aquela em que ele subia a torre inclinada de sua cidade natal, Pisa, e ficava jogando coisas de tamanhos e formas diferentes, tentando entender por que e como caíam. Diz a lenda que, após uma dessas experiências, Galileu observava pensativo os restos de um ovo estatelado na calçada da praça dos Milagres quando foi interpelado por uma velhinha que lhe perguntou o que estava fazendo. “Estou tentando entender por que este ovo caiu da torre”, disse ele. “Eu sei por que ele caiu”, emendou a mulher. “Porque você o soltou.”

Essa história engraçada coloca juntas as duas causas que costumam desencadear os fatos da natureza e também da vida humana: a causa que determina e a causa que predispõe. O que determinou a queda do ovo foi a ação da gravidade; o que permitiu que isso acontecesse foi o fato de Galileu ter aberto a mão e soltado o ovo. Da mesma maneira, sempre há uma causa externa e uma causa interna para os fenômenos que acompanham a vida humana. O correto é dar crédito merecido a ambos os fatores, mas nós temos uma imensa tendência a valorizar um e minimizar o outro, de acordo com nossas conveniências. Nossas conquistas costumamos atribuir às nossas virtudes; já nossos fracassos não têm nada a ver com nossos defeitos, e sim com fatos alheios a nós, verdadeiras traições do destino.

Na semana em que escrevi este artigo, pude observar pelo menos três fatos que ilustram bem essa tendência de autopreservação: um querido amigo chegou com uma hora de atraso a um compromisso que tinha comigo e, após cumprimentar-me, passou a culpar o trânsito por seu atraso, e não sua já conhecida e folclórica despreocupação com os horários e com o tempo dos demais. Outro, investidor da Bolsa da Valores, perdeu dinheiro com a dança dos números e imediatamente atribuiu o prejuizo à “mão invisível do mercado” e não a sua análise incorreta das tendências. Nesses acontecimentos, eu fui o espectador, mas há pelo menos um em que fui o grande protagonista. Estou entregando este artigo com atraso e, quando a equipe de VIDA SIMPLES me ligou, suavemente, cobrando, eu comecei logo a dizer que ainda não tinha entregue porque estava viajando, os aviões andam atrasados, o excesso de trabalho estava me matando etc. etc. É o mesmo que dizer: “A culpa não é minha. A culpa é de minha vida, e eu não tenho controle sobre ela”. Pode?
Você é meu inferno

Cada pessoa tem seus próprios planos na vida. Para realizá-los, vai executando ações que modificam o mundo a seu favor. Até aí, tudo bem. O problema é que todos fazemos isso e, claro, sempre haverá a possibilidade de que aquilo que alguém faça para atingir seus objetivos entre em conflito com o projeto de outra pessoa. É por isso que o filósofo Sartre dizia que “o inferno são os outros”. Mesmo levando em consideração o mau humor do existencialista francês, temos que aceitar que ele tinha lá alguma razão, mas também não podemos deixar de atribuir a esse pensamento uma carga de transferência de responsabilidade. Às vezes as pessoas criam seus infernos particulares e atribuem a autoria a outrem.

Todos já vivemos situações em que foram as atitudes de alguém ­ o namorado, o chefe ou o presidente da República ­ que acenderam o fogo da panela de pressão de nossa paciência. Ok, concordo! Mas muitas vezes fomos nós mesmos que riscamos o fósforo, e os outros apenas entraram com a palha seca. Ou vice-versa.

Ninguém está livre de ter esse comportamento transferidor de responsabilidade. O problema é que ele pode se transformar em um padrão. Quem jamais, ou quase nunca, admite ter construído seus insucessos, carrega consigo os sentimentos de frustração, de impotência e de injustiça. Frustração porque vê seus planos falharem. Impotência porque, como não se atribui a culpa, sente-se incapaz de agir sobre seu próprio destino. Injustiça porque não se considera merecedor do infortúnio, uma vez que, em sua opinião, não é ele o autor do mesmo.

A psicologia, que está sempre buscando explicar o comportamento humano, cunhou a expressão “projeção” para explicar essa tendência de transferir responsabilidades que todos temos, em graus variados. E colocou a projeção em um grupo de comportamentos chamados “mecanismos de defesa”. A parte da estrutura psicológica chamada ego muitas vezes recusa-se a reconhecer impulsos de seu vizinho, o id. Essa é a parte da mente humana mais primitiva, regida pelo impulso do prazer, e que busca a satisfação imediata das necessidades e o apaziguamento das tensões. Obedecendo a esses impulsos primitivos, muitas vezes fazemos coisas, ou deixamos de fazer, que nossa própria moral reprovaria. É quando entra o ego, que é regido pelo princípio da realidade.

Quando adultos, não podemos mais simplesmente cair no choro e sapatear quando somos contrariados ou repreendidos. As crianças fazem isso porque são comandadas pelo id. Nos adultos, o ego assume o comando e a responsabilidade. Entretanto, às vezes o golpe é muito forte para um ego ainda não totalmente estruturado. Nesse caso, ele projeta a culpa para fora de si, isentando-se e, claro, incriminando alguém. Freud explicou!
Inocente ou impotente?

Dizem que essa tendência de transferir responsabilidades é maior entre nós, latinos. O economista argentino Fredy Kofman, que é professor nos Estados Unidos, observou isso, e comenta que se interessou pelo assunto quando seu filho de 5 anos um dia dirigiu-se a ele dando origem a um diálogo bizarro, mas pra lá de esclarecedor:

— Pai, sabe aquele carrinho que você me deu ontem?
— Sim, o que tem ele?
— Pois é, pai. Ele quebrou.
— Como assim? Ele se quebrou sozinho? Então ele cometeu suicídio?
— Foi, pai. Bem diante de meus olhos. Foi horrível!

Pense em quantas vezes você mesmo, como o pequeno protagonista da história, transferiu a responsabilidade até para objetos inanimados. Eu, pessoalmente, tenho vários episódios, confesso. Quando estudei nos Estados Unidos, ainda muito jovem, consegui comprar um carro, um pequeno e econômico Ford Pinto. Certa vez, em uma das muitas freeways californianas, o valente carrinho de repente começou a tossir, sacudir-se todo, até que acabou parando. Motivo? Falta de gasolina. Maldição!, disse eu, sem saber exatamente a quem estava dirigindo o impropério.

Em menos de dois minutos um carro da polícia encostava ao meu lado, e quando o policial perguntou o motivo de estar parado em lugar proibido, eu disse algo como: “Eu não tive culpa. A gasolina acabou”. “Então de quem é a culpa?”, respondeu o agente da lei por trás de seus óculos escuros. Ele fez três coisas. A primeira deu-me alívio, a segunda vergonha e a terceira, prejuízo: levou-me até um posto de serviços para que eu providenciasse o combustível, passou-me uma descompostura por meu ato imprevidente de entrar numa freeway sem verificar o combustível e aplicou-me uma imensa multa.

Durante muito tempo eu me envergonhei do acontecido. Hoje o encaro como um imenso aprendizado. Naquele momento eu me achava inocente. Na verdade eu estava impotente. Aliás, esse é o preço da inocência ­ a impotência. Se você deseja ter sua vida sob controle, o preço é outro ­ a responsabilidade.

Transferir a responsabilidade aos outros traz um falso conforto momentâneo. Uma análise mais cuidadosa de qualquer acontecimento negativo em nossa vida sempre vai salientar nossa participação ativa no episódio. Muito mais do que gostaríamos de admitir. Seu namorado a deixou porque ele é um crápula ou porque você não investiu na relação nem em você mesma? O emprego não aparece porque o mercado de trabalho está ruim ou porque seu currículo não ajuda? Você não passou no vestibular porque a concorrência era muito grande ou porque você não estudou o suficiente?

É claro que sempre há, lembre-se, os fatores determinantes e os predisponentes a qualquer acontecimento. Pode ser que um fator determinante esteja fora de você, mas que você ajudou com um ou mais fatores predisponentes, isso lá você ajudou. Confesse! É verdade que o mercado está ruim, mas também é verdade que seu currículo não está ajudando. É real que o vestibular é difícil e concorrido, mas é ainda mais real que você não se preparou o suficiente. Todos sabem que os rapazes são inconstantes, mas todos sabem também que ele não foi estimulado a permanecer na relação com você, pela maneira como você se cuida e pela maneira como você o tratava. Só que ninguém diz nada.
Confessando as culpas

Em Québec, no Canadá, o jovem Otto cometeu um assassinato. Escondeu de todos, mas confessou o crime ao padre Michael Logan. Este guarda o segredo. Só que o inspetor Larrue, no decorrer das investigações, encontra indícios que incriminam o próprio padre, que é preso e encaminhado a julgamento.

Esse é o enredo de I Confess, um dos filmes menos conhecidos de Alfred Hitchcock. Bem ao gosto do velho cineasta, o filme mistura suspense com drama psicológico. Durante uma entrevista, em 1954, Hitchcock dizia que não havia gostado do resultado do filme, quando então foi interrompido pelo crítico André Bazin, que lhe disse ter percebido no filme essa forte característica humana de transferir a culpa para evitar a dor. O cineasta então se desconcertou e se surpreendeu com essa marca psicológica que ele mesmo não havia percebido em sua obra, a ponto de passar a usá-la outras vezes, como nos filmes Cortina Rasgada e Janela Indiscreta, outras de suas produções geniais.

No fim do filme, Otto confessa seu crime. É o que acontece com todos nós que, mais cedo ou mais tarde, acabamos confessando nossas culpas, culpinhas ou culponas. E não as confessamos, necessariamente, para os outros, e sim para nós mesmos, que é o que mais interessa ao nosso crescimento pessoal.


Fonte: Revista Vida Simples