quinta-feira, agosto 30, 2007

Na pausa para o café

Sentada sozinha à mesa de um café no Palácio das Artes calculo mentalmente: "há quanto tempo não visito o Parque Muncipal?". Talvez eu nem o reconheça. Ao observar os passantes constato que deixo minhas contas vencerem por puro esquecimento. Não sei que dia do mês é hoje. Respondo um e-mail que deveria, em tese, ter sido escrito dias atrás. Não sou pontual, embora escrava do relógio. Aquele que nem tenho em meu pulso. Uma maratonista involuntária correndo sem saber para onde agora está deixando a bebida quente esfriar. Chega o momento da reunião. Hora de me desligar do universo paralelo.

quinta-feira, agosto 23, 2007

Para José

E agora José?
Você quer ir embora e a festa não acabou.
Mas, por que José?
A luz ainda não se apagou
Você a deixou acesa, José
Para que ela iluminasse nossas cabeças;
Para que nos lembrássemos com sorrisos
Da sua vivacidade, do seu desfilar elegante na passarela
e da sabedora que vem de uma simplicidade que as pessoas estão esquecendo
E você, José, que dizia ser meu "fã"
Acabou se transformando em inspiração para mim
Agora, de uma singela homenagem, mal traçada poesia
Eu ainda tenho muito o que aprender com você José
Entretanto, com aperto no coração, te deixo seguir viagem
E sua vez de dizer "fui".


Que o meu amado vovô Azevedo seja uma ótima companhia no céu para o querido José Mendes Ribeiro, o avô da amiga Fernandinha.

domingo, agosto 19, 2007

Post preguiçoso

Nem precisa dizer que a inspiração para escrever está na UTI...Mas para isso servem a fotografia e o You Tube...





sexta-feira, agosto 03, 2007

Quando a depilação vira uma vitória pessoal

Se eu contar quantas vezes por semana eu marco e desmarco itens básicos no salão de beleza, pouca gente acreditaria. Há dias não faço as unhas, precisava pintar o cabelo e a cera quente estava passando longe da minha pelagem. Mesmo nem tão farta, ela me incomoda demais... Hoje após o almoço resolvi arriscar. Quando vi a Bida lendo o jornal tranquilamente, quase chorei. Metade de meus problemas estéticos foram resolvidos sem telefonemas, agendamentos e lembretes inúteis na tela do computador.

O chato é que eu e o Alê mal curtimos nossa casinha por conta das idas e vindas na Leroy Merlin, Tok&Stok e supermercado. Fora isso, tem instalador de rede, faz-tudo, faxineira...E também existe o trabalho pegando para os dois, o que é ótimo, embora estafante.

Amanhã tentarei de todas as formas fazer as unhas, outro ponto para a seleção. É dia do Chá de Panela, que eu fui resolvendo entre as brechas de hora do almoço e à noite. Outro dia vi um documentário sobre como as noivas são estressadas. Mesmo não fazendo a linha convencional, estou ficando um pouco mais freak do que sou.