quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Do Contra - parte um

Se há algo que eventualmente escuto sobre mim - e às vezes - concordo é o fato de ser do contra. Nem acredito que seja uma ofensa, já que a massa homogênia do (con) senso comum nem sempre é atraente. Pensar diferente pode ser simplesmente um toque de personalidade, não um fator intencional para aborrecer o outro.

Comecei a listar a primeira parte de tudo aquilo que a maioria das pessoas que conheço parece aprovar com unanimidade e eu nem sempre. Não quer dizer que eu não goste de Beatles, por exemplo, no entanto prefiro os Rolling Stones. Na minha ordem quase alfabética, acho que são supervalorizados digamos assim:


Açaí - acredito que haja alguma substância viciante nele, pois quem aprecia a fruta não viver sem ela. Experimente dizer que não gosta e ainda, como eu, argumentar que "já que é para comer uma bomba calórica, prefiro Hageen Dazs".

Bacalhau - comi um milhão de vezes e o sabor não me apetece. Tenho a sensação que todo mundo ama e o azar de aniversariar próximo à semana santa.

BBB - Não assisto e acho uma canseira esse "mundo de Marlboro" em torno de pessoas tão fúteis e rasas.

Caetano Veloso - Os discos dele dos anos 60 e 70 são legais. A figura tem sua importância, mas vamos combinar que a mídia querendo que ele dê pitaco em tudo está demais? Ainda mais porque as opiniões dele não são tão relevantes quanto sua obra.

Calor - o país é tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza, ok. Mas se a temperatura média fosse de uns 15 graus a menos, eu me sentiria melhor. Tudo que é consenso e envolve as altas temperaturas me incomoda, o que não é, como pernilongos e horário de verão também.

Carnaval - não estudei sociologia para achar esse fenômeno interessante, acho samba-enredo boring e a euforia desnecessária. Curtia o Clóvis Bornay e me fantasiar quando criança. Não gosto de carnaval contemporâneo. Prefiro o vintage.

Carro - acho simplesmente um meio de transporte. Não entendo gente que mora num muquifo e tem um carrão importado na garagem. Para mim as conversas sobre carro e suas ramificações (automobilismo) são extremamente tediosas.

Copa do Mundo - não torço para a Seleção Brasileira e ponto final.

Djavan - Por que raios tem sempre um sujeito nas praças de alimentação fazendo releituras dele?

"Eu amo BH radicalmente" - A campanha é um engodo, o adesivo é ridículo e as variações são piores. Só que agora não basta amar, precisa provar. Socorro!

Feijoada - sei que é um ícone da culinária brasileira. Gosto, mas prefiro frango ao molho pardo.

Continua...

4 comentários:

  1. Oi Lud!
    Me identifiquei tanto, principalmente nos itens:
    1 -"Eu amo BH radicalmente"nunca vi algo tão bizarro.
    2 - Copa do mundo eu odeio.
    3 - Calor - minha pressão chega ao reino abissal e eu viro uma lesma
    4 - Carnaval - Bornay era ótimo. Virou sinônimo de coisas boas entre alguns amigos. Quandoalgo é insuperável dizemos que "É Bornay!"
    5 - Açaí - nunca tomei, não gosto nem da cor e também me irrito com a veneração alheia.

    Se isso é ser do contra, quero fazer parte do seu clube.
    um beijo,
    Flavinho

    ResponderExcluir
  2. Amore, bem vindo ao clube. Já está na diretoria. Hahaha. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Bacalhau além de ruim é fedorento. Caetano Veloso fala muito e não diz nada. Açaí é bom, mas Hageen Dazs com certeza é melhor. Feijoada eu adoro, mas só se puder tomar 10 cervejas bem geladas antes. BH? Eu amo parcialmente. Copa do mundo é um saco. Carnaval era bom só na infância e talvez na adolecência. BBB é uma idiotice, mas meu lado sádico até gosta de ver aquele pessoal se arrebentar naquela casa de vez enquando. E o Glauber rocha é um lixo.

    ResponderExcluir
  4. E minha turma do contra vai crescendo...hahahaha

    ResponderExcluir