domingo, julho 23, 2006

Senhora para mim é o título de um livro de José de Alencar ou uma mulher com idade para ser minha avó (embora eu costume perguntar antes se é assim que ela deseja ser chamada, porque eu mesma sempre tratei as duas por "você", sem que isso soasse desrespeitoso). O que não significa que as pessoas tomem o meu conceito da palavra como o delas. No entanto, intriga-me o fato de que, nos últimos meses, passei a ser tratada por desconhecidos e recém-apresentados como tal. Não é implicância. Talvez seja até cultural, sei lá. Em Belo Horizonte, pivetes me chamam de "moça" quando pedem um trocado, garçons perguntam, na entrada dos restaurantes: "você prefere área de fumante ou não fumante?". Já me abordaram ainda com outros substantivos (menina, garota e até senhorita). Isso não faz tanto tempo, estou falando de 2005. Tudo bem, que a fase de pedir identidade para entrar num local durou até meus 23 anos. Senti-me lisonjeada de aparentar menos de 18 e, desde então, saquei que foi a derradeira. Mas gostaria de saber aquilo que determinou que, em questão de meses, eu saltasse de uma categoria da qual pretendo fazer parte por muitos anos para outra, que sequer imagino como seja?

Virei senhora depois que passei a aparanter que beiro os 30?
Deixei de ser você por que no meu rosto as marcas de expressão estão mais visíveis?
Virei senhora por que procurei uma dermatologista para me indicar cremes de combate aos radicais livres dos quais só me lembrava às vésperas do vestibular, nos livros de biologia?
Deixei de ser você por que não uso saia curta, coturno e camisa de banda há algum tempo?
Virei senhora por que não falo gírias mais comuns e nem as compreendo?
Deixei de ser você por que parei na segunda tatuagem?
Virei senhora por que os cabelos brancos insistem em aparecer?
Deixei de ser você por que não tenho mais pique para passar a noite em claro num inferninho dançando e tomando vodka?
Virei senhora por que me recuso a freqüentar shoppings lotados, sessões de cinema aos sábados?
Deixei de ser você por que nos shows de rock tenho evitado ficar no gargalo?
Virei senhora por que não troco um bom livro por um programa que não tenho vontade de fazer só para não deixar de sair?
Deixei de ser você por que metabolismo está desacelerando?
Virei senhora por que, em tese, na minha idade boa parte das pessoas fica noiva (coisa que jamais eu farei), casa e tem filhos?
Deixei de ser você quando eu disse que não tinha mais idade para certas coisas?
Virei senhora por que parei de usar esmalte verde?
Deixei de ser você quando respondo que "não, não moro com meus pais"?

Pois eu digo e repito: não sou senhora, nem pretendo ser. Às vezes eu corrijo meu interlocutor, outras eu deixo passar. No entanto, confesso que o você que existe dentro de mim - e que não pretende dar lugar à senhora, mesmo que seja de bom tom - tem vontade de falar que senhora é o caralho! Assim, na lata, como falaria aquela que, apesar de muito branca, um dia nem pensou em sair de casa com o filtro solar, que nunca deixou de olhar para o visual "rock esporte fino" no armário, imaginando qual a melhor ocasião para usá-lo ou que acredita que essa história de ter ou não idade para fazer as coisas depende do estado de espírito...

Eu posso não ser a mesma pessoa que era no ano passado. Aliás, sou bem diferente do que era hoje de manhã quando acordei. Porque minhas idéias são ágeis como meu metabolismo nunca foi e nem será. Porque se der na telha, eu faço mosh num show de rock, passo a noite em claro, rasgo um livro que não me interessar e pinto não só a unha, mas o meu cabelo - que já foi verde - da cor que eu quiser. Eu já nem sou mais aquela que começou esse texto e amanhã então? Posso voltar a morar com minha mãe, e isso não me tornará necessariamente "você" quanto ao pronome de tratamento. Posso me casar, fato que não fará de mim propriamente uma senhora.

E tem mais! José de Alencar nunca foi dos meus escritores favoritos. No máximo, o nome de uma rua em que morei.

8 comentários:

  1. coincidencia menina, tb já morei numa rua josé de alencar!

    ; )

    ResponderExcluir
  2. Talvez a senhora esteja apenas sendo paranóica. :P

    ResponderExcluir
  3. Nossa, me chamaram de "dona" outro dia! quase morri!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:23 PM

    filhinha vc é definitivamente du caralho!

    Mamãe

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pessoal pelo apoio à minha "senhora" questão! Beijos

    ResponderExcluir
  6. Fofa, pena que vc não está aqui. Meus pais estão abrindo um café (finalmente os pães vão ser vendidos em algum lugar como vc sugeriu) aqui na PAmpulha. Lugar lindo demais do lado da casa deles. Vou agitar um recital de poesia em homenagem ao Quintana nesse sabado, 11h. Topas? Tá convidada! bjos.

    ResponderExcluir
  7. Sim senhora:Também acho o noivado ridículo...

    ResponderExcluir
  8. A senhora simplesmente é "diva"!!!
    ;)
    e qto ao noivado, comecei a pensar que é estranho, depois de desistir de um!
    :*

    ResponderExcluir