segunda-feira, outubro 08, 2012

Melancolia

Eu criei esse espaço para me repetir de vez em quando...toda vez que eu quiser. Há 58 seguidores na lateral direita, mas às vezes prefiro pensar que não escrevo nem para mim e o porquê publicar é tão contraditório quanto igual à tudo na vida.

Ando pensando nesses tempos eufóricos. A eleição, a final do futebol, as "timelines" das redes sociais e tudo que tem que ser no peito, na raça, no grito, em plenos pulmões. E se eu quiser ficar quieta?  Eu, logo eu, que falo pelos cotovelos? Posso apenas votar, esquecer a decepção do meu time e postar uma música bem triste no Facebook sem ser questionada por tanta gente barulhenta, metida a engajada, torcedora incondicional e pseudo feliz?

Os tempos eufóricos são difíceis para quem tem a melancolia circulando nas veias.

Melancolia = essas manchas roxas que surgem não sei da onde na minha pele. A vontade de seguir deitada na cama olhando para o teto por horas a fio. E não, não preciso derramar uma lágrima. Isso é outra coisa.

Devia ser um direito poder faltar ao trabalho porque não se quer sair da bolha. Cadê meu atestado? Aonde assino?

E não sai de mim, não sai de mim, não sai.

Explicações desde a bossa do Tom Jobim ao movimento de Saturno milimetricamente calculado pela astrologia. E por que raios não consigo não ser arrastada por essa multidão?

Deixem-me com minha taça de vinho, a minha canção deprê no repeat e, especialmente, meu silêncio...

Ao menos até as manchas sumirem por completo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário