sexta-feira, outubro 05, 2007

Sex and the City à mineira

Desempenho sexual em BH fica acima da média nacional

Ibope Mídia diz que 97% dos homens de BH estão satisfeitos com sua performance. Apesar de participar mais de tarefas domésticas, eles ainda são conservadores, em todo o país
Déa Januzzi - Estado de Minas

Belo Horizonte está acima da média nacional, quando o assunto é satisfação sexual masculina. De acordo com a pesquisa Novo homem – comportamento e escolhas, do Ibope Mídia, divulgada na quinta-feira, 97% dos moradores da capital estão felizes com seu desempenho na cama. Esse resultado está três pontos acima dos demais brasileiros (94%). O estudo mostra ainda que o homem contemporâneo, apesar de ser mais companheiro em casa, participando das tarefas domésticas e da criação dos filhos, continua conservador, em todo o país: 61% dos entrevistados são contra a adoção de crianças por casais homossexuais e 63% discordam de que o aborto é um direito da mulher.

“Mineiro esconde o jogo na hora de falar sobre sexo”, afirma o sexólogo Marco Antônio Martins de Carvalho ao comentar os resultados da pesquisa em Belo Horizonte. “ Eles parecem desconhecer a venda expressiva em Minas de medicamentos que promovem a ereção. Os pernambucanos pelo menos foram mais honestos, pois 12% confessaram que usam remédios contra a impotência.”

Nesse novo retrato do homem brasileiro, com certeza, há retoques: “Nunca se mentiu tanto nessa área. Se antes só os homens não contavam a verdade, hoje, as mulheres e os jovens estão no mesmo caminho. Nas conversas com os amigos, exageram nos detalhes e nas vantagens, cada um enaltecendo mais suas proezas na cama, como se o encontro amoroso se restringisse a um simples orgasmo e não passasse pelas três fases do prazer”, explica o médico.

A primeira e mais importante, segundo ele, é o desejo. “Ele chega no momento em que você se sente estimulado pela postura, pela forma de vestir, pelo toque, pelo cheiro, pelas carícias verbais do outro. O desejo não tem nada a ver com excitação, que é a segunda fase da resposta sexual e puramente orgânica. O terceiro ponto é o orgasmo. Portanto, não adianta tomar um caminhão de Viagra, de Ciallis e de Levitra se não houver desejo.”

Os homens de Belo Horizonte, por sua vez, entraram em êxtase com os resultados da pesquisa. Nas ruas e nas praças, eram só sorrisos. Nenhum deles confessou qualquer falha na cama. A vida sexual está perfeita, do início ao fim. “Minha vida sexual é exuberante”, resumiu Flávio Costa, de 36 anos, casado há dois. Além da satisfação sexual, ele se encaixa em outro item da pesquisa que revela a igualdade de direitos entre homens e mulheres. Flávio gosta de ver o crescimento pessoal e profissional da sua mulher. “Não foi à toa que demorei tanto tempo para casar, pois esperava por essa companheira especial. Detesto mulher dependente”, afirmou.

O professor de educação física Fabrício Pereira Mourão, de 28, recebeu inteira aprovação da namorada, Lisiane, de 23, ao dizer que os belo-horizontinos são bons de cama. Ana Paula, amiga da namorada, observou que o companheiro iria “levar uma surra” em casa se respondesse que não estava satisfeito sexualmente. Ela considera o perfil do novo homem falho, pois “está faltando respeito entre homens e mulheres. O homem tem que cozinhar, lavar, ajudar e enxergar que a gente quer direitos iguais, mas que também não abre mão do cavalheirismo”. Ela, por exemplo, divide todas as contas. “Só não pago conta de motel.”

"Lavo tudo"

Já Maurício Pádua, consultor, de 63, confirmou que é mestre na cozinha, como revelou a pesquisa sobre o comportamento do novo homem. “Faço um estrogonofe de bacalhau como ninguém, sem precisar de ajuda para arrumar a cozinha, pois lavo tudo.” Casado pela segunda vez, ele nem hesita em dizer que é muito feliz sexualmente.

Marcelo Ribeiro, de 24, nem se levantou do banco na Praça da Liberdade, onde namorava Raquel Fernandes, de 22, ambos estudantes de Direito. Eles riram muito da pesquisa, mas Marcelo confirmou o desempenho sexual do mineiro. “Somos bons mesmo”, disse ele, com a aprovação da namorada. Quanto ao perfil do homem contemporâneo que ajuda em casa, ele também aprova. Morando com a mãe e mais dois irmãos, sempre que pode e tem tempo, Marcelo dá uma força. Não vê nenhum problema em dividir tarefas, arrumar a casa, lavar pratos ou, no futuro, cuidar de uma criança.

Um comentário:

  1. nossa, quer dizer que os mineiros estão botando pra quebrar ???
    hehe
    abs
    ricardo

    ResponderExcluir