domingo, fevereiro 18, 2007

O Blogger mudou e eu nem vi...

Alguns dias sem postar por falta de tempo, de paciência e de criatividade. Minha constante irritação está gritando, mas por hora em Belo Horizonte, acredito que os nervos à flor da pele se amenizem. São as benécies do ócio de que tanto preciso. Vários DVDs para assistir. Alguns clássicos como Noites de Cabíria, do Fellini. Não pretendo programação intensa. Aliás, vim para o lugar certo. Um quase deserto.

Semana passada tive um único momento de felicidade, que foi conhecer a Monja Coen. De resto, nada foi digno de relato por aqui. Meu vôo de sábado felizmente não atrasou como eu previa. No entanto, consegui ler a TPM de fevereiro inteira na sala de embarque. Quando o avião decolou, comecei a chorar. Foi o texto da Mara Gabrilli e meus hormônios juntos. Ainda bem que sempre haverá óculos escuros para evitar olhares curiosos.

A antítese das mães - Mara Gabrilli

No dia-a-dia com vovó Semi, aprendi a assistir à TV com a tela trêmula e a acreditar que podem existir mais coisas entre o céu e a Terra

Numa tarde de sábado estacionei o carro ali na rua Avanhandava, no centro de São Paulo, esperando o Walter Mancini sair de seu restaurante. Fiquei admirando aquela rua que agora transformamos num boulevard acessível a todas as pessoas. Como nos centros históricos europeus, que se inspiram no conceito de “traffic calming”, deixando a rua no mesmo nível da calçada para integrar veículos e pedestres. O Walter chegou curtindo um som no seu iPod. Colocou um dos fones na minha orelha: “Anos de Solidão”, do Piazzola. Em seguida, declamou um poema que, por profunda coincidência, minha avó recitava para mim. Me emocionei com lágrimas... Morei com ela no seu apartamento na avenida Brigadeiro Luís Antônio bem naquela região central. Por mais que reclamasse da dor no fígado, das freqüentes mudanças que eu fazia no apartamento, da velocidade com que eu a ultrapassava no corredor, quase a derrubando no chão, tinha entusiasmo e falava naturalmente a linguagem do amor. Eu adorava sair para dançar e, quando chegava muito tarde, decidindo não ir à faculdade logo cedo, ela crescia de felicidade e triplicava os quitutes do café-da-manhã. Gostava de demonstrar que era melhor comigo em casa. A maioria das avós vira antítese das mães, já foram duras com seus filhos e preferem ser doces com seus netos. Muitas vezes enquanto eu estudava, entrava no meu quarto, subia num pequeno divã e declamava poemas encenando gestos e expressões numa entonação que fazia ela própria chorar. Sentava ao lado dela para assistir à sua televisão, com uma imagem repleta de chuviscos e rabiscos que eu mal conseguia reconhecer pessoas... Mas ela entendia! Depois de um tempo sem decifrar aquilo eu começava a folhear revistas até que minha avó pedia que eu parasse de fazer vento nela. Eu achava aquilo um absurdo, mas hoje, depois do meu acidente, fiquei muito sensível a oscilações de temperatura. Não posso com alguém folheando revista ao meu lado. Conhecida na feira da Major Diogo, que freqüentava há 30 anos, era chamada pelos vendedores, que gritavam o nome do produto junto ao dela: – Olha as berinjelas, dona Semíramis! (Aliás, refogadas, eram uma de suas especialidades.) Quando fui morar com ela, tinha 80 anos e confundia um pouco as cédulas. Quando dava 50 reais para pagar uma compra de 4 reais e mandava o feirante ficar com o troco, alguns devolviam, outros não. Vovó Semi tinha graça e encanto. Usava conjuntinhos, tudo combinando. Seu banheiro tinha toalhas, tapetinhos, cortinas, enfeites de mármore, pia, bidê, vaso, acessórios para toalete e flores artificiais, tudo cor-de-rosa. Coisas que só uma avó faz Ela via personagens, que chamava de espíritos, na sala. Eles chegavam ao cair da noite. Era o orelhudo, o de cabeça azul e o peludo de olhos amarelos. Ela me chamava para vê-los, ficava mostrando onde estavam, mas eu não conseguia enxergá-los. Um dia cheguei para almoçar e senti um cheiro forte de rosas na sala. Minha avó veio da cozinha contando que viu o espírito de uma mulher de branco jogando pétalas de rosas pela sala. Fiquei em pânico e, mesmo sabendo que de nada adiantaria, tranquei as portas pra dormir. Fui morar num flat e, um ano depois, ela morreu. Meu irmão morava fora do Brasil e estava viajando com meus pais. Vesti e maquiei minha avó! Com minha tia, primos e minha amiga Selma fizemos o enterro. Foi a única pessoa da família muito próxima que perdi. Na correria burocrática, não deu para sofrer. Adormeci e no dia seguinte, quando acordei, chorei de emoção e felicidade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário