sexta-feira, maio 12, 2006

O poder do 'não'
De Rosana Hermann.


É difícil dizer não. Em geral, o único não que sai fácil é o ‘não fui eu’, na hora do aperto, a resposta rápida do instinto de sobrevivência á culpa e a punição. Os outros, como não quero, não sou, não posso, não tenho, não sei, são todos complicados.

Dizer não para quem pede um favor, para um parceiro, amigo, parente, sempre deixa um travo amargo. Quem pede sabe, racionalmente, que o outro pode e tem o direito de negar ajuda, mas se pede é porque venceu sua vergonha, esforçou-se e porque tem esperança de ouvir um sim. E aí, quando você frustra o pedinte, perde um ponto no caderninho do céu.

Também é difícil admitir tudo o que não se é, não se tem não se pode. Claro que sem isso ninguém melhora. É só a partir da conscientização de nossos erros e limitações é que podemos crescer. Mas às vezes uma vida não é tempo suficiente para aceitar todas as qualidades que não temos, especialmente aquelas que adoraríamos ter.

“Não sei” também é recordista de dificuldade, junto com o não conheço, não fui, não vi, não li. É muito mais comum mentir que viu o filme, que leu o livro e foi no tal lugar do que revelar ignorância. Somos todos muito orgulhosos e detestamos ser flagrados em nossa falta de conhecimento e cultura. É assim. Ou não?

O não mais difícil, porém, é outro, é o não da determinação, o não que vence a compulsão. É o não que impede que a mão esprema a espinha, arranque a casquinha, futuque a ferida. É o não que mantém o cartão de crédito dentro da carteira, o que impede que você repita o segundo prato no rodízio. É o não do bom senso, que faz com que você conquiste atos heróicos que vão desde o simples não obrigado, para um panfleto inútil até não às drogas químicas que matam.

Para viver uma vida feliz, inteira, verdadeira, é preciso ter coragem de dizer não. Sem magoar, sem ofender, sem ser cruel. Se você não gostar do texto, por exemplo, não é preciso xingar toda a linhagem do autor. Diga apenas ‘não gostei’. É um exercício simples que fortalece o caráter, dá firmeza às opiniões e valoriza o sim.

Ou não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário