quarta-feira, abril 05, 2006

Minha família tem uns rituais próprios com aniversário. Não sei se são típicos dos Azevedo. Quando eu morava em BH, sempre acordávamos o aniversariante com beijos e café da manhã. Lógico que na mesma hora, além de estar mais velha, a pessoa tinha que escovar os dentes porque ninguém perdoa "bafo de leão" matinal lá em casa. Quando era viva, vovó Celinha cozinha aquilo que mais gostávamos. E se era o empadão 3 pingos (no meu caso), eu ainda levava uma travessa de bônus para comer sozinha, se quisesse e agüentasse. Sim, mesmo com todo carinho do mundo, gritamos: "não vai cuspir no bolo, não", antes que o aniversariante sopre - morrendo de vergonha - as velas. Outra tradição é telefonar no horário do nascimento. Ao meio-dia, sempre recebi ligações da mamãe. Mas esse ano achei que ela havia esquecido. Esperei e nada. Lá pelas seis horas da tarde, mamãe liga falando que nessa hora eu havia nascido (como sempre falou nos anos anteriores). Deixei ela terminar o momento "Recordações da Maternidade Otaviano Neves" para falar: "Não, mãe, a Uiara nasceu seis da tarde. Você trocou de filha". Gargalhadas dos dois lados da linha. Telefone, para quem está longe, tem outro significado. Legal receber scraps, torpedos via celular e tudo, porém eu quase chorei quando ouvi minha irmã, Marianinha, os meus queridos agendianos e tantos outros amigos direto de Belo Horizonte. Por aqui, muitos abraços e um bolo delicioso que a dona Felícia, mãe do Luiz, fez para mim e que vou comer assim que sair do jornal.

4 comentários:

  1. Oi Lud. Feliz Aniversário.
    Aniversário prá quem mora longe da família é tão diferente...
    Eu adorei seu texto e me identifiquei muito com ele.
    No meu aniversário, quando meus pais me ligam, eu quase sempre choro.
    um beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Amei seu blog Flavinho...Beijos e saudades

    ResponderExcluir
  3. Anônimo9:57 AM

    Filhinha, nem eu mesmo acreditei no meu momento Alzeimer. Mas enfim, mãe é mãe, e mesmo trocando as bolas lembra. Um bom motivo para não ser vaca. Ou será que sou? Beijos mil. Te amo forever
    Mamãe (troca horas) mas mamãe assim mesmo.

    ResponderExcluir