sexta-feira, abril 14, 2006

Minha companhia no plantão de feriado.



No Surprises

A heart that's full up like a landfill
A job that slowly kills you
Bruises that won't heal

You look so tired and unhappy
Bring down the government
They don't, they don't speak for us
I'll take a quiet life
A handshake of carbon monoxide

No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
Silent, silent

This is my final fit, my final bellyache with

No alarms and no surprises
No alarms and no surprises
No alarms and no surprises please

Such a pretty house, such a pretty garden

No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises please (let me out of here)


Sim, eu estou triste por estar tão longe. À essa altura estaria vendo um DVD com minha mãe e minha irmã, depois de um ótimo almoço em família. Comi sozinha. O garçon entregou o pedido errado (uma porção inteira ao invés de meia) e eu paguei a mais (sorte que exerci meu cristianismo e dei uma marmitinha caprichada de peixe grelhado com batatas sautè para um mendigo). Agora entendo porque acham as "datas-família" opressivas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário