segunda-feira, julho 23, 2012

Croniquetas

Da roda "Young Folks" (regada a vinho)

- Eu tenho resoluções de final de ano por semestre.
- Como assim?
- Ah, como eu não as cumpro nos primeiros meses do ano, jogo para julho em diante.
- E qual é sua resolução de segundo semestre?
- Não ficar com nenhum amigo meu.
- Imagina! Eu não tenho problema com isso, mas acho que tem um limite sabe? Suruba com amigo não dá.
- Nó...tenso.

Silêncio

- Ah, mas e se vocês tiverem amigos "surubentos" que não se importem com isso?
- Surubentos? Essa foi boa...bem, eu pulo.
- Hummm...eu também.

Após a sessão

Assisti ao "On the Road" e um lado meu saiu do cinema achando a própria vida completamente sem graça. Onde estavam as viagens sem destino, os amigos insanos, a busca incansável por poesia, o amor de tirar o fôlego??? Tomei um café, sem benzedrina, e pensei que não estou entre os loucos e os desajustados. Quem sabe rebelde, criadora de caso e aquela que vê as coisas de forma diferentes? Se eu vou mudar algo, nem sei. O mundo, certamente não.



No táxi

- Quero uma coroa bem bonita...ah moça, escreve uma homenagem legal dos amigos do ponto de táxi da Serra...não consigo pensar em nada. Sim, obrigado. Tchau.
- Bom dia. Eu vou para a Savassi.
- Desculpa a demora... é que um amigo nosso morreu, o Paulão, dono da bar. Você conheceu?
- Ah, sim. Morreu de quê?

Pausa para olhar para a câmera imaginária
Na verdade não conhecia, mas não queria ser antipática ainda mais num momento difícil.

- Ele estava numa festa, tomou uns goles a mais, sabe como é... Aí alguém o deixou em casa e ele caiu ao subir as escadas. Teve traumatismo craniano.
- Puxa, que triste.

E pensei: ainda bem que tenho elevador...
E me lembrei: claro que eu conheço o bar do Paulão! O clássico copo sujo que não tem um tira-gosto sequer e desde cedo reúne uns habituês meio estranhos.
E me repreendi: outro dia até quis tirar uma foto de um cartaz que havia ali para o Instagram. Bem intencionado era o Paulão, dono do buteco, que proibia "homens sem camisa" (considerando os tipos, ainda bem) no recinto.

2 comentários:

  1. sabe que lendo on the road, ao invés de ter certas conclusões (precipitadas?) como você, permiti-me acender uma chama (ou ligar uma outra chavezinha, não sei bem) direcionada ao acaso? ao presente? acho que é por aí. falta-nos bares, por hora, pois se estivesse convivendo um pouquinho mais comigo estaria comprando agora a sua passagem para a Tailândia (ou para a Índia, quem sabe?).

    ResponderExcluir
  2. Ironicamente, o senhor está em casa em plena quinta de bons drinks... :)

    ResponderExcluir